Junte-se gratuitamente a mais de 47.000 advogados inteligentes e receba dicas imperdíveis de Empreendedorismo e Marketing Jurídico

O que nunca lhe contaram sobre Marketing Jurídico e o Código de Ética

Você sabe como conciliar as estratégias de marketing jurídico e o Código de Ética da OAB?

Aliás, você sabe que práticas de marketing jurídico o Código da OAB veta?

A resposta, felizmente, é: NENHUMA.

Achou estranho?

Então, assista ao vídeo ou continue lendo para você nunca mais cometer esse erro tão comum.

Você irá perceber que os limites entre o marketing jurídico e o Código de Ética não devem ser vistos como restrição.

E que, na verdade, o nosso código deveria ser encarado como uma ótima oportunidade para captação e fidelização de clientes.

MARKETING JURÍDICO E O CÓDIGO DE ÉTICA DA OAB: COMO CONCILIÁ-LOS?

Crer que o Código de Ética e Disciplina da OAB é uma limitação ao uso de estratégias eficazes de marketing jurídico é um dos grandes equívocos que a maioria dos advogados comete.

É verdade que os limites entre o marketing jurídico e o Código de ética podem parecer um pouco turvos em uma primeira análise. Por isso, muitos advogados julgam que fazer marketing dos seus serviços não é uma possibilidade.

Afinal, essa prática é vedada pelo nosso Código de Ética.

Mas a verdade é que essa confusão, em realidade é um caso de falta de informação.

Ela ocorre, principalmente, porque muitos de nós não conhecem o verdadeiro significado de marketing. Na universidade poucos são os advogados que tem a chance de entrar em contato com conceitos e ferramentas de marketing. Um erro, na minha opinião.

Se você também não tem clareza com relação ao que é marketing, fique tranquilo. A culpa não é sua. Mas precisamos esclarecer de uma vez por todas.

Assim como no Código recentemente aprovado, o Código de Ética atual faz restrições específicas à publicidade na advocacia.

Isto é, o código de ética veda anúncios feitos para divulgar o advogado ou escritório.

Porém,  marketing não é sinônimo de publicidade.

Marketing jurídico é uma estratégia de relacionamento com clientes atuais e potenciais.

Ou seja, o marketing visa construir relacionamentos de sucesso que sejam sustentáveis, isto é que perdurem ao longo do tempo.

Em outras palavras, o marketing é mais amplo que a publicidade.

E para esclarecer de uma vez por todas…

Embora haja restrição ao uso de publicidade na advocacia, não há vedação ao marketing no Código de Ética da OAB.

MARKETING JURÍDICO ÉTICO É O MESMO QUE MARKETING EFICAZ

Ainda que houvesse restrições ao marketing jurídico o código de ética, não faria sentido usar um marketing anti-ético.

O marketing eficaz é, por definição, exatamente aquele que é feito dentro de princípios éticos.

Quando você pensa em um relacionamento proveitoso e duradouro, como o que o você quer construir com seus clientes, o que é necessário?

Certamente, que haja um encontro de interesses, um cuidado no trato e uma conduta profissional. Em outras palavras, é necessário ética.

Por isso, se um relacionamento com o seu cliente, para ser proveitoso e, por que não rentável, tem que ser ético, então…

Falar em marketing jurídico ético é sinônimo de falar em marketing jurídico eficaz.

Até porque, novamente, o marketing eficaz é aquele que se propõe a criar relacionamentos de sucesso, o que só  é possível com ética, cuidado e profissionalismo.

CONCLUSÃO

É muito comum que alguns advogados associem os limites estabelecidos pelo Código de Ética à restrições e, com isso, ficam paralisados, esperando o cliente bater à porta.

Usar marketing jurídico é fundamental para você gerar resultados sustentáveis, criar valor e fortalecer a sua reputação como advogado.

Por isso, quando você pensar em marketing jurídico ético, pense em oportunidade e não em restrição.

Ao colocar em prática ferramentas de marketing jurídico ético, você abrirá oportunidades para o seu negócio. Poderá investir o seu tempo, o seu dinheiro e a sua energia no que realmente vai lhe trazer retorno: mais e melhores clientes e uma sólida reputação profissional.

Ainda que não existisse vedação legal, iniciativas de marketing que não tem compromisso com a ética já deveriam ser evitadas de qualquer maneiras, pois são um desperdício de bens valiosos.

Em outras palavras, qualquer iniciativa antiética de marketing é ineficaz e representa não só um desperdício de dinheiro, mas também de esforço e de tempo.

Manter-se dentro da ética é, portanto, fazer uma gestão eficaz dos seus recursos.

Se você gostou do desse artigo, eu gostaria muito de ouvir seus comentários e eventuais dúvidas. Então, escreva abaixo. Vou responder pessoalmente.

 

2 ComentáriosDeixe um comentário

  • Otima exposição, tenho acompanhado semanalmente seu material. Estou depois de quase 20 anos, voltando para o mercado jurídico. Estava terminando meu portfÓlio e gostaria de oportunidade de encaminha-lo para compartilhar minha nova caminhada.

    Grata

    Patricia – Jaguariuna

    • Olá. Patrícia. Fico satisfeita por estar contribuindo com o seu progresso nessa fase de retomada profissional na Advocacia. No que eu puder lhe ser útil, estou à disposição. Até breve!

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *